Decorações simples de Natal

Todos os anos por esta altura, de loja em loja eu costumava procurar e comprar novos enfeites para a árvore de natal e para a casa, mas hoje, aproveito o que tenho dos anos anteriores e tento eu própria criar algumas decorações. As revistas e o Pinterest são a minha fonte de inspiração, junto com a Natureza. Para decorações simples não é preciso muito! Sugiro, que deem um passeio pela floresta, ou por um pinhal e recolham alguns ramos de pinheiros, de cedros e apanhem algumas pinhas. Já em casa, reciclem frascos de vidro e enfeitem-nos com os ramos, velas, luzes, pinhas, fitas vermelhas ou verdes. Era para trazer-vos mais ideias de enfeites de Natal, mas entretanto, estou com uma grande constipação, o que me impossibilita de sair... portanto isto ficou mais ou menos a meio.
No nosso quarto, lembrei-me que tínhamos uma capa de edredon vermelha que compramos em Amesterdão! Foi o melhor pano de fundo, para vestir e colorir o nosso quarto para esta quadra. 

Para estas fotos precisei de:
frascos de vidro (usei de iogurte, os restantes estão para venda na Loja)
velas
luzes
forminhas de bolos
fitas 
ramos de pinheiro e cedro
pinhas
musgo
bagas


Dias frios no campo

Agora sim, o frio chegou! Já me posso começar a despedir do Outono e preparar a casa para o Natal. Com dias de calor lá fora e o sol a brilhar intensamente, não sentia vontade de decorar a casa, como disse anteriormente queria aproveitar o outono sem pressa. Hoje, custou-me imenso a sair da cama, mas assim que abri as portadas e vi a relva com geada sorri de satisfação (desculpem-me todos aqueles que anseiam pelos dias quentes)! O meu filho todas as manhãs implora pelos dias de verão para puder ir para a praia e reclama pondo imensos defeitos aos dias de frio! Acha estranho e interroga-me: mamã como podes gostar do inverno? É normal ele nasceu em Junho, eu em Janeiro. 

Acordei, ajudei o Tomás a despachar-se e enquanto ficou a tomar o pequeno-almoço fui descongelar o vidro do carro, foram precisos alguns baldes de água. Deixei o menino na escola e fui tirar umas fotos. Estavam -4 graus. As minhas mãos gelaram, e os meus pés esqueci-me que existiam. Os campos esta manhã em Azeitão estavam cobertos por uma imensa geada, enquanto o sol brilhava de mansinho entre as árvores. As bagas e folhas despertaram cobertas sobre cristais de gelo e a meu ver tudo ao meu redor estava maravilhoso! Vou-vos mostrar algumas das fotos que tirei esta manhã. 

Mas antes, agradeço aqui a  todas as meninas que responderam ao formulário. Fiquei muito feliz, por saber que o tema principal do blog é o que vos continua a trazer ao meu blog, - a Natureza. Vou pensar numa rubrica semanal, que nos agrade a todas.
Tenham uma boa semana!



Sobre mim e o by Deva

Quando eu voltei para a Azeitão deixei a minha vida social onde morava anteriormente, deixei de sair com as minhas amigas e de estar com elas todos os dias. Apesar de estar próxima dos meus pais e amigas, decidimos voltar de novo para cá. Ultimamente, adotei como dever, "agradecer", todas as coisas boas que me acontecem. É um exercício que faço sempre antes de adormecer junto com as minhas orações. Agradeço sempre estar aqui em Azeitão e poder ter esta vida que me permite ter alguma liberdade. É aqui e assim que sou mais feliz. É certo, que tenho dias que vejo que as minhas amigas se encontram e fazem coisas juntas, enquanto eu estou por aqui sozinha. Há dias que sinto um pouco dessa solidão, mas honestamente são raros os momentos! Para ter esta liberdade, também abdiquei de alguns "luxos". Estar em casa não é para todos. Há pessoas que preferem o seu trabalho, a carreira e ter uma vida mais ativa e preenchida e há pessoas que precisam mesmo de trabalhar. Admiro muito este grupo de mulheres! A opção de eu ter deixado o meu trabalho também me trouxe escolhas, umas nem sempre fáceis! Com o passar do tempo desliguei-me de muitas coisas: das idas constantes ao shopping, de comprar roupa todos os meses,  livros, de comer fora, das marcas, etc... tornei-me portanto, mais moderada e menos consumista. O que é facto é que adoro estar em casa. E sei que isto ainda choca muitas mentes! Felizmente, não as nossas.

Voltando ao teor do inicio do post... hoje quando fui à escola levar o meu filho e vi que a serra estava cheia de nuvens, pensei tenho de ir lá! Tinha que deixar que os meu olhos pousassem naquele lugar, enquanto a minha minha mente e pensamento se deliciavam a contemplar tudo ao meu redor. Este apoteose entre o meu ser e a natureza, estão interligados há muito tempo! Foi basicamente por isto  que abdiquei de tudo e vim para cá e é isto que preenche qualquer momento de vazio na minha vida. Agradeço muito a Deus por ter a minha família e ter a vida que gosto, aqui.


Uma outra coisa, a by Deva. Tenho que falar dela também, pois é uma outra parte de mim. Aos poucos voltei a coser e fui fazendo peças e colocando na loja que entretanto reabriu. Eu sei que perdi muitas pessoas que liam o meu blog, que comentavam e que hoje já nem me seguem nem aqui, nem no Instagram! Sei também, que não tenho sido uma pessoa muito empreendedora no campo da costura e que entretanto há novas meninas com coisas super giras! Sei bem disso tudo e não é isso que me incómoda. A questão que se impõe é: dar continuidade ou não?


Para perceber um pouco melhor o lado de quem me vai acompanhando e lendo, gostaria que respondessem a este pequeno inquérito. Pode ser?

Até breve!


Trilho

Depois de uns dias, tremidos que me impossibilitaram de fazer a rotina normal, aos poucos fui retomando os meus hábitos, as tarefas de casa e as coisas que me dão prazer fazer, os meus gostos e hobbies pessoais. Agora que já me vou sentindo melhor, não quero agarrar tudo o que não fiz durante as últimas semanas, quero antes pegar nas coisas que para mim são importantes e relevantes e fazê-las ao meu ritmo. Sinto que cada vez que algo que não esperamos nos acontece e que de repente nos obriga a sair da nossa "rota" habitual, é hora para repensar e fazer diferente, para prestar atenção e redesenhar um novo trilho, uma nova conduta sem nunca deixarmos de ser nós mesmos, porque isso nunca o deixamos de ser, cada um de nós em si mesmo. Um pequeno impulso, pode mudar sempre algo. No meu caso, aceitar que terei que fazer uma medicação para toda a vida. Resumidamente isto! Eu que me recuso a tomar um comprimido que quer que seja. E estou aqui a escrever algo mais sério sobre a minha vida pessoal, neste blog que um dia foi uma rua movimentada e que hoje é uma rua paralela a uma outra rua qualquer. Talvez por isso possa escrever, com vontade e à vontade, para que ninguém ou alguém, me ouça escrever e ler. 

Nestas últimas semanas falhei, comigo e convosco. Falhei quando parei de ouvir o meu corpo. Falhei convosco, quando me "tagaram" (esta palavra existe?)  o meu nome para aquele desafio de fotografias a preto e branco. Falhei na correspondência. Falhei. Ponto final. 

Neste limbo de ignorância, de abstinência, de privação, há algo de bom e de muito generoso. A realidade de poder fazer tudo do começo. E esta é a maior gratidão que posso ter. 


Novembro

Os meus últimos dias não têm sido fáceis, tenho tido alguns problemas de saúde. Hoje senti-me melhor e nada mais revitalizador do que um passeio aqui pelos bosques da Serra. Caminhei um pouco  sem exagero porque ainda me canso, mas aos poucos fui andando e reparei em tantas coisas bonitas: os campos começam a ficar verdes, os troncos das árvores ganham musgo e a luz ténue por entre as árvores despede-se envergonhada. Por esta altura já deveria haver cogumelos espalhados por aquele sítio. Trouxe no cabaz alguns ramos, bagas de murta, paus para queimar na lareira, pinhas para espevitar o lume e dentro de mim muita Gratidão. A natureza é generosa e as coisas simples, serão sempre as melhores!
Tenham um bom fim-de-semana.



Vamos escrever uma carta

Venho dar vida a uma ideia antiga que já me tinha ocorrido, mas como muitas outras, acabo por não as concretizar. Hoje ao postar uma foto de uma caixa de correio no Instagram, veio-me à memória essa tal ideia e nada mais é do que gerar aqui no by Deva um espaço aberto à troca de correspondência, a todos aqueles que se sintam ligados e amem a natureza. Este é o tema principal que nos vai unir. É o tema deste blog, é a principal razão da minha fotografia e é o que mais me inspira. Se te sentes atraída por este ideal, fico muito feliz!

Vamos escrever uma carta. 
Quem não gosta de receber correspondência em casa? Quer seja de um amigo, de um familiar, de alguém que em vez de telefonar decidiu fazer-dos uma surpresa e enviar um postal? Vamos estar à espera do natal para enviar aquele postal de boas festas? Receber uma carta é cada vez mais raro (refiro-me às manuscritas, à mão)! Todavia, aqui podemos criar sem obrigações esse pequeno prazer. 

Como o tema proposto será sempre a Natureza, não iremos partilhar receitas, nem dicas de moda! Vou dar-vos algumas ideias: 
  • trocar folhas prensadas
  • enviar sementes e bolbos
  • revistas sobre o tema
  • recortes interessantes
  • ilustrações
  • postais
  • fotografias
  • penas de aves
  • objectos alusivos ao tema
  • aguarelas e desenhos
  • ou o que a vossa imaginação quiser
Podem deixar um comentário aqui para dizer-me o que acharam desta ideia? Ou dar opiniões. As moradas serão trocadas por mensagem privada para o meu mail.


* nota: com o que aconteceu no país, com a grande tragédia dos fogos, não tenho tido vontade para escrever sobre o nosso último passeio a Sintra. Porém, pensei que o amor é sempre maior que a dor, ou se não o é, nós temos que fazer com que seja. Pelo o amor e respeito à natureza que tenho, irei continuar a mostrar o seu melhor lado.

Um dia nas Vindimas

Primeiro, para quem aqui chegou ou veio fazer uma visita deu de caras com o blog renovado! O blog deu origem a um site, dividido em três partes: uma breve apresentação (que já existia), o blog (que é o mesmo) e finalmente um espaço para a minha fotografia, o portfolio. Já era tempo de ter as minhas fotografias arrumadas e organizadas num único espaço. Continuo no antigo Flickr, que agora funciona como backup das minhas fotos. Ainda existem alguns pequenos ajustes a fazer por aqui, por isso não estranhem se virem alguma alteração. Espero que quem me visita goste tanto, quanto eu do novo site! Podem (se quiserem) deixar um comentário na página "about".

Tudo este projecto não seria possível sem a querida Eve, que pacientemente me ajudou a criar esta ideia neste espaço virtual. Foi a Eve que também fez o meu blog em 2014. Podem visitar a sua loja "Fearne Creative design", na Etsy. Tenho a certeza que lá encontrarão muita inspiração!

Mas, voltando ao tema do post...

Como todos nós sabemos Setembro é tempo de vindimas! Pela primeira vez assisti à apanha da uva nas quintas em Azeitão onde se recolhem as uvas para fazer o vinho Bacalhôa. Passei uma manhã entre cestas cheias de uvas e vinhas a  perder de vista. Para o ano quero ver se acompanho este processo nas várias etapas, para fazer o repertório completo. Desta linda manhã de quarta-feira passada, guardo o sabor doce dos bagos de uva a desfazerem-se na minha boca, dos cachos de uvas moscatel que gentilmente me ofereceram, guardo os sorrisos de quem trabalhava sobre o sol quente de cara feliz; dos rostos morenos e marcados pelo trabalho, das mãos hábeis de quem sabe o que está a fazer, do cheiro das uvas... que docemente me transportou para a minha infância, na quinta dos meus avôs (também aqui por Azeitão) em que das janelas da adega ouvia o meu avô e todos aqueles senhoras de meia idade a pisarem as uvas no lagar. Bom, com tudo isto não tenho garrafas de Bacolhôa para vos oferecer, tenho apenas registos de alguns momentos e é isso que hoje aqui quero partilhar convosco.
Bom fim de semana a todas!


Instagram