by Deva * Loja

E passados dois anos estou de regresso à Loja on-line! Depois de ter remodelado o atelier (para um post em breve) e ter voltado a arrumar os tecidos e a por tudo no lugar e de ter conseguido arrumar também as ideias, foi a vez de me sentar a coser e trazer de volta o by Deva - handmade. Cada projeto a seu tempo, porque a vida já corre tão rápido e tudo acontece tão depressa que cabe-nos a nós abrandar sempre que possível. Primeiro o blog, agora a loja e para 2017 a fotografia. Se é isto que gosto de fazer e se é para isto que estou disponível, vamos lá! Ora bem, estas foram as coisas que criei e que tenho andado entretida a fazer. Espero que encontrem algo que gostem. Visitem-me no separador Loja e digam-me de vossa justiça. 
Obrigada!


A Retomar Caminho



Aos poucos estou a retomar caminho. Caminho para onde, perguntam vocês? Justamente para aqui, para o blog e para a Loja. O meu regresso à Azeitão trouxe-me a vontade de voltar a fazer o que gosto, em suma, muito se resume ao que já conhecem no by Deva. Tinha imensas saudades de fazer posts para blog, se bem que os meus posts não são ainda muito regulares, mas mesmo assim prefiro ir com calma. Em mente, tenho alguns projectos já antigos que nunca os pus em prática e que lhes quero dar essa oportunidade, um deles está relacionado com a fotografia, mas esse ficará para 2017! Entretanto a Loja, irá reabrir! Isso mesmo, voltei a sentar-me em frente à maquina de costura sem ficar a olhar para ela! Fazia-me falta voltar a criar. Contudo, confesso que não me sinto muito segura, e que sinto até um pouco de medo neste meu regresso, ao entrar num mundo que cresceu e que me parece gigante face ao pequenino by Deva. Ainda assim... Na Loja, irei ter alguns produtos relacionadas com a natureza, o campo, feitos com elementos naturais recolhidos por mim nos meus passeios, como já fazia com as misturas de ervas das almofadinhas de cereais. Esta coroa de Outono foi feita com bolotas que apanhei no pinhal perto de nossa casa. Vou oferecer-vos a mesma, num passatempo. Em troca peço-vos que me ajudem "a acordar" o by Deva levando-o a conhecer às vossas amigas, família, conhecidos, etc...

O Passatempo desta coroa de Outono realiza-se até ao final do próximo Domingo dia 27. Para participar devem seguir o by Deva no Instagram e no facebook e marcar o nome de três amigas no post do passatempo na página do facebook. O vencedor será seleccionado através do site Random.org  

Boa sorte e bom fim-de-semana!


No bosque dos Trevos

Ontem, fomos dar um passeio na serra, a minha ideia era ir ao meu lugar de sempre o "vale encantado", mas a entrada estava fechada, ou antes, a passagem para aquela zona passou a ser proibida, excepto a cavalo! Como não tenho nenhum cavalo, voltei para trás! Ligeiramente de caras, vinha a engenhocar o melhor estratagema de como ir até lá... quando de repente nos cruzámos com uma família a caminhar com uns baldes na mão e percebemos que andavam por ali a apanhar pinhas e cogumelos. Deus é bom, mostrou-nos outro caminho, um novo bosque que desconhecíamos e que lhe passei a chamar de "bosque dos trevos". Novembro, é o mês dos cogumelos. Como não podia deixar de ser encontramos imensos por ali. Apanhei algumas bolotas para mais tarde fazer um trabalho, talvez uma grinalda. O tempo passou, estava quase a escurecer quando nos lembramos de estender a toalha no chão e lanchar o bolo Shrek (bolo de agrião) e o nosso chá de maçã e canela. Esta é altura do ano que mais gosto, para passear no campo. 





Outono na floresta encantada de Mafra




Visitar a Tapada Nacional de Mafra nesta altura do ano é como teletransportar-nos para um mundo  imaginário de contos e fábulas. A Tapada de Mafra é encantadora em todas as alturas do ano, mas o Outono torna-a ainda mais especial e mais bonita! Sobre o chão ao longo dos caminhos havia mantos de folhas secas, caídas e encaracoladas, tapetes prontos a serem pisados por nós que ali passamos. Os muros já se cobrem de musgo fresco, os castanheiros abrem-se e põe a descoberto os seus frutos, as castanhas. Os animais observam-nos de longe, donos do seu habitat, fazem deste lugar o cenário perfeito! Os veados, no seu porte altivo, majestosos e imponentes como se fossem os guardiões da Tapada, os gamos,  amorosos que nos dá vontade de trazer no colo e os javalis e os ouriços-caixeiros e todos os outros  animais que habitam a floresta e que felizmente podemos ter a sorte de os ver e respeitar, neste lugar que é uma das florestas mais bonitas do nosso país! Dentro do meu bolso, escondido levei outro amigo, minúsculo e maroto! Não pagou bilhete de entrada e ainda passou a tarde a esconder-se para que os miúdos o encontrassem. Um menino que adotei com cabeça de veado, que faço questão do passear sempre que vou a uma floresta. Já de noite, no regresso, todos nos divertimos e brincámos, porque sem isto a vida jamais teria piada. 

Bom fim-de-semana a todos!

Até o Outono chegar



O Outono achou que não havia ainda condições para ficar e decidiu chamar o verão! É o que dizem os entendedores, que teremos novamente temperaturas a rondar os 30º. Se calhar a praia vai encher-se quase em novembro! Nós por aqui voltamos a pôr a cama de rede lá fora no jardim e a programar mais passeios pela serra, onde esta ainda se cobre sobre um manto dourado, cor de sol. 

Alimentação

Vou-vos contar uma coisa. Há uns anos atrás vivia em romaria a caminho dos shoppings, saía do emprego e antes de apanhar os transportes tinha que visitar algumas lojas; até que um dia uma amiga disse-me, o teu filho ainda há-de nascer no shopping! Chegava a ir de manhã e à noite, porque por vezes me esquecia de qualquer coisa. Hoje, tornei-me numa mulher diferente, menos pretensiosa, menos materialista, mais madura e sobretudo mais simples. É claro que ainda entro num shopping, para comprar um livro ou para ir às compras e encher a despensa, de resto muitas das outras coisas me passam ao lado, ou antes, os interesses mudaram. Hoje a preocupação não é se visto preto ou castanho e que brincos e mala irei combinar, mas sim, o que vou comer amanhã!

Nessa preocupação constante, procuro saber e informar-me qual a origem dos produtos que compro cá para casa. Uma das regras, penso que a mais importante é procurar produtos sazonais e nacionais, pois não só estamos a ajudar a nossa agricultura como também sabemos de antemão de onde vêm o que colocamos no nosso prato. Aqui na minha zona, em Azeitão, há imensos produtores agrícolas, há bom pão, queijo, azeitonas e por sorte também vivemos na rota dos vinhos da Península de Setúbal! Vivemos num país onde não carecemos da falta de bons alimentos, Portugal é rico em vários sectores alimentares, é um país onde a gastronomia é variada e boa! No sábado de manhã o Tomás acordou-me às sete horas, às oito e tal já estava na praça a comprar a fruta, os legumes e o pão para o pequeno-almoço, tudo fresco e gostoso.


Se se interessam por tudo o que descrevi e muito mais, proponho-lhes a visitar de 28 a 30 de Outubro a  3ª edição do Portugal Agro - um evento que promove toda a produção das regiões da nossa terra, produtos e produtores, em Lisboa, no Parque nas Nações. 

O programa é vasto e eu não irei faltar!

. Showcooking - Apresentação e degustação de produtos
. Tertúlias gastronómicas

. Confecção de receitas ao vivo

. Workshops culinários para os mais novos
. Venda directa de produtos regionais e certificados
. Contacto directo com os produtores presentes das várias regiões do país

Para mais informações podem aceder a este link: Portugal Agro

A todos os interessados, peço que preencham até ao dia 26 o formulário abaixo, pois terei todo o gosto em vos oferecer algumas entradas para este evento. O sorteio irá ser realizado via random.org. Os vencedores serão contactados por email.


Do nosso Verão (Parte II)

Ainda pelos caminhos das Aldeias do xisto, mesmo na reta final de um de verão que se fez quente.

Era Setembro e o sol ainda brilhava com força, na zona centro procuramos o fresco das cascatas e as praias fluviais. Percorremos quilómetros em estradas serpenteadas por curvas e contra curvas a uma altitude onde o vento e o silêncio eram reis. Paramos apreciamos e sentimos esse mesmo vento e toda a magia envolvente de estar no topo de uma serra. Açor. Calcamos caminhos na floresta e trilhos na mata. Apanhei diversas folhas, bugalhos de cedros, líquen e outros elementos da natureza. Pelo chão a mãe natureza vai deixando vários tesouros que ali caem e permanecem. O meu pequeno gnomo dá-se por satisfeito quando consegue encontrar um pau que se maior que ele em altura, facilite a sua caminhada e dar-lhe um ar mais sério de explorador. Apanha  bichos com muita facilidade e também se farta tão depressa como se entusiasma. Já por mim, mandava parar os ponteiros do tempo e as paginas do calendário, pedia às nuvens que abrandassem e ao sol que esperasse e ficava, ficava como se estivesse em casa. Acredito que certos lugares estão interligados ao nosso ser, ou o nosso ser a certos lugares, acho que é mais por aqui e que por essa razão são uma fonte de inspiração, de meditação e de encontro a nós mesmos. Para casa trouxe bocadinhos da serra do Açor, palavras soltas, desenhos num bloco de notas e muitas, muitas fotografias.

Ar: céu, brisa, vento, bruma, reflexão e liberdade.


Água: Cascata, riacho, música, transparência, lago, sede, vida, pensamento, felicidade.


Terra: matéria, natureza, floresta, bosque, vale, montanha, rocha, árvore, força, casa.


Fogo: verão, sol, luz, energia, calor, vitalidade, desejo.