Social Icons

A Senhora da Carroça,

19 de dezembro de 2015


faz-me lembrar de ti avó, talvez pela idade, por ser magra e seca, pelos seus cabelos brancos ou pela roupa preta; talvez seja um pretexto para te dizer que tenho tantas saudades tuas e que me fazes muita falta; ou talvez seja essa uma desculpa para quando a vejo passar da minha janela me lembre de ti. Vejo-te na janela do teu segundo andar, lá fora é Outono e os pássaros fazem muito barulho, pareces não te importar com isso, estás ali de pé serena e em silêncio. Na bancada da cozinha há tigelas de marmelada e frascos de café com geleia, mas cheira a croissants de chocolate da Macuta, uma novidade acabada de chegar e pedes-me para ir buscar um para cada uma. Mas não faças leite avó, porque deixas sempre aquela nata e eu não gosto. A cozinha ainda cheira a peixe frito, estiveste horas de volta do fogão a fritá-lo e a fazer sopa de peixe. A mim apetecia-me comer aquele bife com molho e as tuas batatas fritas. Sim, antes do almoço eu vou lá abaixo buscar o pão. Sabes avó eu agora faço a sopa de peixe com a massa de cotovelos e a folha de hortelã, é quase igual à tua e o meu filho sabe que fazias esta sopa melhor que ninguém. Sentamos no sofá ao som do relógio da sala de estar, eu deito a cabeça no teu colo e sei que voltas a falar para mim, quando terminares o teu terço. Olho para o teu cabelo e penso: é tão bonito! E, as mãos como são também bonitas. Contam uma vida e contam com lentidão e  afinco as contas do terço. Na minha mão esquerda uso a aliança de casamento, a tua aliança avó que me deixaste para quando eu casasse. Mas é hora de ir andando, os meus primos estão quase a chegar do colégio e já tens companhia, amanhã ou depois eu volto cá. Amanhã ou depois sei que irei resgatar da memória momentos teus e no meu silêncio vou encontrar as tuas palavras. A minha já sabes qual é, saudade.

A senhora da carroça tem noventa anos. Sempre a vi a passar assim. Quando o Tomás era bebé e ouvia o som da carroça eu dizia-lhe que se não comesse, aquela senhora levava-o na carroça dela (que cruel...!). E, ele comia. A minha avó costumava dizer-nos que vinha a cigana. O Tomás cresceu e a senhora ainda passa na mesma rua, da mesma maneira, a diferença é que hoje o Tomás acena-lhe e ela sorri. 

Simple food (77)

16 de dezembro de 2015


O que fazer com fruta madura? Tartes!
(poderá chamar-se tarte a este pequeno fenómeno de forno?)

Tarte de Pêra:
Cozer as pêras com um fio de xarope de mapple, canela, nozes e avelãs partidas aos bocadinhos. Passar tudo até ficar em puré. Divida uma embalagem de massa quebrada em duas partes iguais. De uma das partes forre a tarteira e deite o puré da fruta, de seguida estenda a outra metade da massa e cubra toda a superficie. Pincele com ovo e leve ao forno até cozer a massa.

Things I Love on Tuesday (17)

15 de dezembro de 2015










(Imagens via Pinterest)

Things I Love on Tuesday ♥

Afinal, só faltam duas mãos, dez dias para o Natal! Aqui em casa os presentes estão feitos (faltam embrulhar), já temos as velas pela casa acesas, alguns enfeites na casa e o presépio, mas nestes dez dias que se aproximam ainda temos tempo de preparar o que falta. E porque faltam dez dias, hoje ficam aqui dez ideias alusivas ao Natal:

1 - Navegar pelas redes sociais e surpreendemo-nos com os dotes culinários e decorações de bolos para as mesa de natal! Abusem das renas e veados e das coberturas coloridas sem abusar nos corantes. Ah, não se esqueçam das filhoses e rabanadas!

2 - Enfeitar a casa seja ela de campo, neve ou cidade. O que importa é o espírito e a criatividade de cada um. 

 3 - Adoro esta altura do ano em que a natureza nos brinda com bolinhas de bagas vermelhas. 

4 - Este ano atrasamo-nos e ainda não fizemos a nossa árvore de natal. O nosso pinheiro é artificial e gigante e ainda não sei muito bem onde o vou colocar. Adoro árvores de natal com pinheiros a sério. Temos imensa sorte por termos imensos pinhais e matas onde ir buscar um pinheiro natural, mas é importante saber se podemos ou não apanhar e convém não esquecer de depositá-lo num vaso para depois devolvê-lo à terra.

5 - Sou apologista dos presentes handmade. Existem muitas opções para criarmos presentes giros de natal sem gastar muito dinheiro. O campo mais uma vez oferece-nos todos os recursos, só temos que puxar pela imaginação.

6 - Este ano optamos por fazermos saquinhos de bolachas para oferecer. Espero ansiosa pelas férias de Natal do Tomás para que ele possa pôr as mãos na massa e ajudar-me. (depois mostro-vos o resultado)

7 - Personalizar etiquetas ou mesmo imprimi-las para enfeitar os embrulhos. No Pinterest existem imensos printables gratuitos. É aproveitar!

8 - Fazer uma coroa de Natal. As coroas são muito fáceis de fazer. Podem atar um ramo de ponta a ponta de alecrim ou de pinheiro e dar uma laçada com um fita larga vermelha que gostem. Tenho a certeza que fará uma vistaça na vossa janela ou porta!

9 - Usem e abusem das velas (com toda a precaução) dão sempre um ambiente acolhedor a qualquer casa. Criem castiçais em frascos de vidro com elementos naturais. Por fim atem um cordão com uma mensagem que gostem.

10 - Escrever um postal também pode ser um bonito presente de Natal. Passem nos CTT e escolham um postal solidário, com este gesto estamos a ajudar quem mais precisa. 

Simple food (76)

14 de dezembro de 2015

E hoje é isto. Uma receita cremosa e quentinha com as cores do nosso inverno que se aproxima. Podem guarnecer a sopa com lasquinhas de queijo da ilha, nozes, ou cranberries desidratados, a minha opção favorita!




Tapada de Mafra

10 de dezembro de 2015

Há sítios, lugares que fazemos questão de guardar na memória para quando nos quisermos deliciar estar a um só passo de o lembrar; há sítios ou lugares, em que fazemos questão de trazer de si pequenos pedaços dentro de uma caixinha guardados, como algo precioso, para ver ou simplesmente para ali estar; há lugares e sítios que para caberem em nós temos que nos repartir e voltar, ir e regressar, vezes e vezes, porque uma só vez não chega para conhecer e amar. A tapada de Mafra é um lugar assim, daqueles que guardamos em pensamento, que trazemos secretamente dentro dos bolsos e que segredamos, - sem despedida.











Da natureza com amor

6 de dezembro de 2015





Num dia de Outono, num breve passeio trouxe estes ramos de bagas. É quase Natal e andava mesmo cheia de vontade de trazer um pouco de natureza em tons de vermelho cá para casa!

É por aqui que começo

3 de dezembro de 2015

Passava das 8:30 e passeava eu sozinha por esta estrada. Por mim passou um ciclista de ar apressado, enquanto eu lentamente tomava o meu caminho em busca de bagas para fazer alguns arranjos florais. Acompanharam-me o som dos pássaros e os meus próprios passos sobre a terra de estrada batida. Adoro manhãs como esta, frescas e limpas. Pensei que poderia demorar-me no tempo e perder-me entre a natureza e a minha existência, neste lugar, mas voltei ao ponto de partida ainda com todo o sabor a liberdade. Terei de arranjar coragem de subornar o medo e arranjar uma medida justa para caminhar seguramente. Mas, se este medo sabe que o receio é porque estou a um passo de o vencer. Amanhã quem sabe os pés não me levarão de volta ao mesmo trilho.