Social Icons

Como fazer um Marcador para Livros

24 de outubro de 2014

Lembrei-me que todos os marcadores que coleccionei desde os tempos que trabalhei no mercado dos livros e feira do livro, continuam arrumados dentro de caixas na arrecadação do apartamento onde vivemos quando nos casámos. Imagino que muitos deles se estragaram ou devem ter humidade. [tenho de ver isso.] Esta semana comprei um livro novo e hoje chegaram outros por encomenda, mesmo a tempo, porque hoje já é sexta-feira! E com tantos livros novos para ler, estava em falta um marcador. Então decidi fazer um e quero dizer-vos o quanto é simples personalizarmos um marcador de livros. Há quinze dias atrás trouxe da mata de Monsanto alguns elementos da natureza, reparei que as bagas vermelhas que tinha trazido e que desde então estão num copo com água, estão agora no seu direito, murchas. Resolvi dar-lhes vida para o papel, numa tentativa de pintar algo semelhante com o pincel e apenas duas cores de aguarelas tentei desenhá-las. E, assim tenho um marcador novo [que ainda não está terminado]!

Para fazermos um marcador de livros vamos precisar de:
Uma folha de aguarela ou cartolina. Cortamos uma tira mais ou menos ao comprimento do livro e de largura uns três dedos. Podemos recolher algumas amostras de folhas, bagas e com guaches ou aguarelas tentar desenhar ou pintar algo que nos inspire. Se quiser pode apanhar alguns trevos, que são relativamente pequenos, pintar as folhas suavemente com a ajuda de um pincel, passar para o seu próprio marcador [tipo stencil]. Depois é só deixar secar, forrar com uma folha de papel autocolante transparente, para dar mais durabilidade e tornar o marcador mais resistente. Por fim fazemos um furo no extremo superior e podemos enfeitar com um bonito cordão. [falta-me esta parte]. São bonitos presentes já a pensar no Natal.

E de repente ocorreu-me que também podemos secar as nossas folhas e flores preferidas e colá-las no nosso marcador de livros.

Instagram

8 de outubro de 2014

Os posts, por aqui no blog têm sido esporádicos, mas em contrapartida tenho estado mais activa no Instagram. Acabei por criar lá uma conta nova para o by deva, quando me apercebi que na  anterior estava a fugir à regra temática do by deva e estava a postar fotos mais pessoais, logo privatizei a primeira conta e criei uma nova. As pessoas que me seguiam continuam por lá, apenas exclui algumas lojas e outros perfis sem foto e sem seguidores. Mas, como vos estava a dizer, não sei bem se é por ser de acesso fácil e prático, mas tenho-me mantido entretida pelo Instagram. Aquela coisa que ao principio me parecia como um pudim instantâneo, fácil, rápido, pronto e no final de contas  o tal  pudim até é mesmo saboroso! 
Perdi muitos seguidores que tinha na outra conta ao começar do zero, mas dos poucos que tenho ganhei novos e os antigos e fiéis juntaram-se também. Olho para este Instagram e gosto dele, quero mostrá-lo como uma pequena montra das coisas que gosto à minha volta, um universo similar e paralelo ao blog, quero criar novos laços através de imagens inspiradoras. Crio composições, algumas nem sempre para fotografar, crio porque gosto de mexer com certos objetos e ver novos resultados e por vezes acabam por ficar assim, como uma pequena mudança na decoração da sala ou do quarto, por exemplo... Tenho trazido bocadinhos da natureza para dentro de casa, flores que recolho por onde ando e passo, e com  saudade recordo o meu pequeno quintal, sobretudo agora com a chegada do Outono. Daqui de casa, vou criando cenários que me distraem e me devolvem de novo a esperança. E é no Instagram que se encontram agora mais presentes estes pequenos fragmentos, de um dia após o outro.