Social Icons

Crochet

25 de novembro de 2014


Este verão aprendi a fazer crochet, daí as cestas e os tapetes para a casa. Gostava muito de aprender a fazer malha com duas agulhas, roupas, como camisolas para nós usarmos e gorros para o Tomás, mas sei que ainda não me ajeito muito bem com uma agulha e com duas para já seria um quebra cabeças! Este mês comprei dois livros sobre crochet na wok.pt para aprender novos projectos. Agora quando vou ao quiosque espreitar as revistas, também fico por lá a ver as de tricot e crochet

Fiz estas rodelas de crochet que servem como base de copos. Ficam muito bonitas de verão na nossa mesa de varanda ou jardim, na mesinha de cabeceira para pousarmos o copo com água ou mesmo tapá-lo. São bases decorativas. 

A loja reabriu com uma nova imagem e com os produtos que tenho disponíveis para venda imediata. Para saber preços, envios ou encomendas, basta enviar-me uma mensagem.
Visitem e digam-me se gostaram (aqui seria um ponto de interrogação que o meu pc não me deixa colocar) e se quiserem partilhem com as vossas amigas. Obrigada!!

Mais almofadinhas a caminho

20 de novembro de 2014

Fiz mais almofadas de cereais e ervas aromáticas. A loja está fechada, pois estou a fazer pequenas alterações, mas podem ver todos os trabalhos nos álbuns da página do facebook [aqui] Entretanto o meu computador está nas últimas e raramente já lê o cartão da máquina fotográfica, para além de comer todos os acentos graves do que vou escrevendo! Vamos ver daqui para a frente como vai ser...


Praga

19 de novembro de 2014



Hoje pretendia mostrar-vos mais umas almofadinhas de cereais e ervas aromáticas que tinha feito e que cheiram maravilhosamente bem de tão bem recheadas que estão, mas a chuva roubou-nos a luz do sol e sem ela eu não tenho a luz suficiente para fotografar os produtos; então, lembrei-me que podia contar-vos sobre a viagem que fiz com o meu marido este verão, a Praga.

Em menos de nada, surgiu a ideia de irmos fazer um passeio a dois e em pouco mais de um mês estávamos a viajar para a Republica Checa. Escolhi Praga, por três razões: primeiro, porque a minha mãe já lá tinha estado e eu tinha gostado imenso de organizar e ver as suas fotografias, segundo porque gosto de cidades cuja a arquitectura me fascine (monumentos renascentistas, barrocos, góticos, etc...), por último a minha prima R. contara-me que Praga era como a cidade do Shrek! Escolhemos um voo que fizesse escala na Bélgica, assim pudemos apanhar um comboio e fomos conhecer o centro de Bruxelas. Almoçámos na Grand Place e passámos assim um dia a passear a pé por Bruxelas. Gostei  bastante de sobrevoar os campos belgas e ver lá de cima todo aquele verde e as casas tão bonitas. Havia coelhos em todas as zonas verdes do aeroporto, mesmo junto ás pistas de aterragem. Fiquei com muita vontade de voltar a Bélgica e conhecer Bruges! Quando chegámos a  Praga, apanhámos o autocarro e depois o metro (o centro da cidade ainda fica um bocadinho longe) da saída do metro até ao hotel eu arrastei-me. Chegámos deixámos as malas e o J. meu marido quis procurar um restaurante (cheio de fome, típico!). Acompanhei-o no mesmo passo lento e quando chegámos apesar do local ser top, todo o cheiro da comida me pôs pior. A empregada olhou para mim e disse-me: "precisas de descansar". Na manhã seguinte acordei doente e todos os dias que estive em Praga estive doente, com frio e febre e sem conseguir comer. Procurámos por uma farmácia e auto-mediquei-me. De manhã media a temperatura tomava os remédios e ficava no quarto. Aproveitava para falar ao telefone com toda a gente! O meu marido pacientemente ali ficava a cuidar de mim e a dizer-me que dormisse! Quando os anti-inflamatórios faziam efeito e me sentia bem, calçava uns ténis, disfarçava o meu ar macilento com a maquilhagem e dizia: estou pronta, vamos! Percorremos toda a cidade de Praga e felizmente conseguimos visitar tudo o que levava escrito. Apesar de em Praga ter tido a praga de adoecer, Praga fica para mim uma cidade muito especial, ultrapassou muitas das expectativas que eu pressuponha ter. É uma cidade linda! A minha mãe avisara-me que iria gostar muito, só se esqueceu de mencionar o quanto eu iria gostar! Praga é linda e merece ser visitada e percorrida, por todos aqueles que a admiram e a querem conhecer. Tem uma das praças mais bonitas que vi, ladeada por palácios, torres e catedrais. Tem os tons pastel a dar cor aos seus edifícios. Em Praga poderia fechar os olhos e esquecer o tempo e levar-me-ia para outra época, não fosse toda a multidão de  turistas. A Ponte Carlos e o castelo de praga são dois pontos altos, desta cidade. Subi a pé até ao castelo e pouco depois regressara cheia de frio e mau estar para o nosso hotel, ouvindo de caminho sermões sobre a minha própria teimosia. Foram dias com picos, entre euforia e desgaste. Poderia ficar aqui a escrever e contar-vos que vi em Praga as flores mais bonitas, o jardim que me fez parar e pensar o quanto seria bom permanecer ali com tempo sentada, simplesmente a ver, que as janelas no alto dos telhados me inquietam e me levam a pensar como seria bom ser jovem e estudar em Praga e viver numa casa com uma janela e um telhado como aqueles, poderia dizer-vos que ficou o desejo de fotografar a ponte Carlos numa madrugada de frio, poderia dizer-vos muitas outras coisas, mas digo-vos apenas que Praga é um regalo para os nossos olhos e um destino que nos inquieta. O povo não é uma simpatia, mas que importa se a cidade é uma das cidades mais bonitas. Acredito eu.

Obrigada meu amor por toda a paciência e por teres cuidado tão bem de mim.

* recebi um comentário anónimo a alertar para o facto de não usar devidamente a pontuação na escrita. O meu computador nem sempre me permite pontuar e usar devidamente a pontuação correcta, por motivos que desconheço não estou a conseguir usar alguns acentos. Para escrever este post e usar por exemplo as maiúsculas e alguns sinais de pontuação demorei muito tempo a escrevê-lo.

** Podem ver mais fotografias desta viagem no meu Instagram.

Almofadinhas Térmicas de Cereais

7 de novembro de 2014

 

Já há algum tempo que não pegava na minha máquina de costura, deixei-a repousar este verão e aprendi a fazer crochet. Lancei as cestas e os tapetes e mais tarde seguiram-se as casinhas em madeira em tons pastel; ainda existe algum resto de stock que podem ver na Loja ou na página do facebook. Como já tem sido hábito, nesta altura do ano faço sempre as almofadinhas térmicas de cereais. Então a semana passada aproveitei o sol para secar os cereais ao ar livre e esta semana cosi as forras. Cá estão algumas para vos mostrar.
 ***
As almofadinhas ou botijas de cereais térmicas são um excelente presente para oferecer a uma amiga, aos nossos avós, a um bebé, um desportista, etc... são úteis sempre que padecemos de um mal estar físico. São usadas normalmente para aliviar dores e transtornos, podendo ser utilizadas de igual forma como arrefecimento ou aquecimento.
A composição:
É 100% natural.
Composta por alguns cereais e plantas aromáticas/ Terapêuticas. Algumas delas colhidas por mim.
Medem:  25 x 16 cm aproximadamente.
Todas as botijas têm fronha que pode ser lavada na máquina a 40º.
São vendidas com instruções de uso.
Nota: Nunca molhar o interior da almofada.
Disponíveis aqui