De ontem e de Sempre

Quando olho de um dos meus lugares secretos preferidos para a serra e avisto as casas no meio do nada, penso no quanto gostaria de morar naquele lugar. Imagino a quietude, o silêncio, o som do vento e o cantar dos pássaros, das cigarras, imagino a paz única e singular, imagino tantas e outras coisas se morasse num lugar assim, como os meus olhos vêem. Aos olhos de muitos, viver isolado é sinónimo de depressão, de isolamento, de anti-social, há quem critique e não perceba e há quem necessite. Eu preciso desta proximidade, de voltar aqui e ver, sentir e ouvir o vento, os sons peculiares da natureza, da terra. 

Conheço esta paisagem desde pequena, quando o meu avô me levava na carrinha, com as mulheres do campo madrugadoras que iam trabalhar na sua quinta nos picheleiros. Lembro-me de levar blocos de papel cavalinho e sentar á sombra a desenhar, lembro-me de ouvir o som da água da nascente de cima, de passar a ponte de madeira sobre o riacho [que secou entretanto], de procurar amoras e flores no "pomarinho" [assim se chamava esta herdade dos meus avós]. Por destino, cresci frente ao mar e por destino já adulta passei a amar tanto quanto meu avô esta terra. 

Naquele tempo não havia as casas soberbas que hoje se espalham ao redor da serra, nem os condomínios. Presumo que a zona ficou altamente na moda para alguns, derivado a vinda de caras famosas, que moram em Azeitão. Há dias li, recentemente algures na internet, que caso se descubra uma praia deserta jamais se deve partilhar esse segredo, podem achar um acto de egoísmo, mas não terá o seu lado positivo? Imaginem essa mesma praia encher-se rapidamente de tolhas e chapéus de sol á beira-mar plantados? Eu guardo, não as melhores praias desertas, porque não tenho o previlégio de conhecer nenhuma, mas guardo comigo e vá com o meu marido que é ele o meu melhor companheiro, todos aquele lugares únicos de grande beleza natural que tenho descoberto na serra, são eles aquele que chamei de "vale encantado" e outros que guardo secretamente, porque são para além de tudo, o «meu santuário». 

Foram anos bons, de muito trabalho e inspiração de um by Deva diferente.

Um dia voltarei, enquanto isso não acontece, sempre que a saudade aperta venho aqui, e daqui de cima ambos prometemos que é aqui, que vamos recomeçar!

12 comentários

  1. Olá Márcia!

    Para além de ser fã de todos os teus trabalhos tenho que te dizer que também gosto muito da tua maneira de escrever, muito simples mas com muito sentimento.
    As fotografias estão lindas e as paisagens são maravilhosas.
    Espero que um dia regresses aonde pertences de alma e coração.
    Beijinho e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Catarina pelas tuas palavras e incentivo.
      Beijinhos.

      Eliminar
  2. Durante um ano ou dois, fui seu leitor. Acompanhei as suas idas ao campo, as suas receitas, a sua paixão pela serra, a sua visão fotográfica, a sua habilidade com a costura, mas também o seu crescente desinteresse por manter o blog ativo, assim como o meu desinteresse também se foi manifestando para manter o meu.
    Um dia quase todos os blogs desaparecem nao é... o meu também deixou de "funcionar" para mim... sem feedback, sem leitores, sem gerar receitas, de que nos adianta manter um diário digital, por mais interessante que seja e por muito que tenhamos a contar e a mostrar!!?!?
    Nestas coisas da blogosfera só os "fortes" subsistem, é pena mas é verdade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em parte tem razão, não é facil manter um blog um activo, ainda que factores externos nos obrigam, a fazer uma ou outra paragem, mas penso que deveremos continuar, sempre que a vontade se manifeste. Quanto aos fortes, ninguém dura para sempre... ; )

      Eliminar
  3. Volta Márcia, quando entenderes. Aqui voltarei também!
    Um beijo e tudo de bom! Namasté

    ResponderEliminar
  4. Que juntos consigam o que mais querem :) Um abraço grande!

    ResponderEliminar
  5. Adoro o blog e a tranquilidade e a simplicidade. É uma inspiração. Digo o que sempre digo: tudo de bom! Seja esse bom o que tiver de ser e onde tiver de ser, espero que o encontre! :)

    Olga

    ResponderEliminar
  6. Olá Deva.
    Não sou leitora assidua mas gosto de vir aqui, de vez em quando, não devido aos crafts mas devido às tuas receitas e às tuas fotos.
    Em relação a Azeitão, não sou dessas bandas mas ouvi dizer que ficou famoso depois do Herman José ter ido para aí morar. Há mais algum famoso pelas tuas bandas?
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. Obrigada por comentar no meu blog meio inativo :/
    Que linda declaração de amor,este post, a um tempo precioso que você viveu, a um lugar lindíssimo,que aqui pelas bandas de São Paulo, onde vivo, está cada vez mais raro, embora nosso interior e litoral tenham sítios muito belos.
    Acho que é assim mesmo, queremos guardar segredo a respeito de algo tão indelevelmente marcado em nossa memória, com receio que alguém venha roubá-lo de nossa mente e coração e transformá-lo em algo moderno e irreversível. Curta muito tudo isso que ainda há por aí. Obrigada por compartilhar imagens tão lindas. Bjinho
    Lan Succi(meu nome é Alaine)-São Paulo-Brasil

    ResponderEliminar