As flores também me fazem Feliz

Descobrir o que nos dá prazer é meio caminho andado, para sermos mais Felizes! A minha felicidade, está dependente de vários fatores, desde os familiares à saúde dos que mais queremos, passando pela parte financeira; assim o é com todos, julgo. Depois vêm os fatores secundários, aqueles que têm menos peso e medida, que muitos encolhem os ombros, porque não são assim tão importantes neste mundo, onde só as coisas reais parecem ter mais proeminência. 

Um aparte...
[O trabalho, emprego, referia-me. Quem tem um emprego é visto como uma pessoa com mais valor. Aquela pergunta pertinente: o que é que faz? onde trabalha? - arruma qualquer um! Olho ao meu redor, e quase todos estão empregados (que sorte! apesar de todos mostrarem graus de insatisfação face aos seus empregos), os que conheço que estão desempregados deixaram de acreditar e não veem o mundo com todas as cores. Eu também trabalho, e muito, mas em casa! Tenho um rendimento baixo que me permite ainda assim fazer uma vida "normal". O emprego é um fator relevante, proeminente, mas se não o temos vamos tornar-nos pessoas transparentes, castigarmos-nos e viver menos felizes?].

Isto a propósito, que na minha condição de desempregada eu sou Feliz, mesmo quando apanho flores!

12 comentários

  1. Concordo contigo quando dizes que as pessoas empregadas têm outro valor aos olhos da sociedade..infelizmente é assim. Já passei por me olharem de lado quando digo que abdiquei da profissão para estar em casa com os filhos, mas cada vez mais me orgulho dessa decisão, e sou cada vez mais feliz. O dinheiro não é tudo na vida (claro que ajuda e bastante) e eu prefiro ter menos mas ser mais feliz, sem stresses inerentes ao trabalho. A palavra desempregada a mim não me diz nada já...quando tiver que preencher um formulário ponho sempre dona de casa. É a verdade, podem revirar os olhos as vezes que quiserem..!

    ResponderEliminar
  2. Se eu mandasse ser "dona de casa" era uma profissão, entenda-se com rendimento conferido pelo Estado.
    Quem cuida de uma casa, com afinco, e ainda mais tem filhos, merece todo o mérito!
    Sou sim, capaz de olhar de lado ou revirar os olhos a quem não faz MESMO nada por si, família ou sociedade, e ainda recebe rendimento mínimo ou RSI, se preferirem, e vai gastá-lo em pequenos almoços no café... :S

    ResponderEliminar
  3. Adorei as flores! Tão simples e delicadas. É por isto e por aquilo que cá gosto de vir. Concordo plenamente com a descrição relativamente à palavra "desempregada", sinto o mesmo. Mas como me sinto tão bem com aquilo que faço e penso, não me preocupo com outras opiniões. Todos temos direito de viver a vida da melhor maneira que conseguirmos e todos temos direito a uma opinião. So be happy. :)

    ResponderEliminar
  4. small treats :)
    o importante é ser feliz

    ResponderEliminar
  5. Temporariamente, por causa da gravidez, deixei de trabalhar e sabes, nunca fui tão feliz como agora, os meus níveis de stress baixaram drasticamente. Faço de tudo um pouco pela casa, tenho tudo super organizado e isso deixa-me feliz. Ponho-me a pensar no que seria a minha vida se não trabalhasse e isso não me faz confusão como até agora pensava. Sem dúvida que a nossa família é a coisa mais importante na vida e, por isso, ela deve ser sempre a prioridade número um.
    Bj

    ResponderEliminar
  6. Este teu post deu lugar a um post meu, na minha cabeça. O importante é que te sintas feliz, em casa ou fora dela e que a tua realização pessoal passe por isso mesmo. Beijos.

    ResponderEliminar
  7. Eu também estou desempregada, por opção, sim por opção...Despedi-me numa altura em que todo o país luta contra a crise e tenta agarrar a todo o custo os seus postos de trabalho. Se vivo melhor? Economicamente não, mas sou tão mais feliz ! Por isso compreendo-a tão, mas tão bem. Beijinho e obrigada por este post.

    ResponderEliminar
  8. No dia em que fui despedida, lembro-me perfeitamente de ter desligado por segundos, sei que havia uma voz do outro lado da mesa que debitava justificações, mas eu só pensava "pronto, aconteceu" - porque havia meses que andava desconfiada do meu destino - "mas tu já não gostavas de trabalhar aqui"... e a verdade é que desde esse dia tenho feito uma caminhada interior que me tem trazido muito mais paz e felicidade. Mas curiosamente parece pecado dizer isto e todos os outros desempregados que conheço diferem de mim. Primeiro não foram despedidos, foram convidados a negociar... ahhhhhh!
    Segundo: não estão desempregados, estão a desenvolver projetos pessoais... ahhhhhhh!

    ResponderEliminar
  9. Quando fiquei desempregada fiquei preocupada, mas não infeliz. Na verdade, aquele trabalho não me fazia sentir nem feliz nem realizada. A parte da independência financeira, sou muito mais feliz agora! E também apanho flores ;)

    ResponderEliminar
  10. O importante é que te sintas realizada, seja a apanhar flores ou a olhar paa a tempestade, janela fora. Ter um emprego é importante mas - e tenho vindo a questionar isso cada vez mais - um emprego que não te apaixone só porque tens de levar dinheiro para casa (dinheiro que sustente o nível de vida que alcançaste, não aquele que poderias muito simplesmente ter se te habituasses a viver com o que é realmente importante), será que vale a pena? Muito francamente, tenho uma inveja brutal de ti e de outras pessoas que escolheram/a vida obrigou a viver assim. É verdade que o retorno é grande, mas acho que não o gozo como deveria ser. Aproveita o que tens. :)

    ResponderEliminar
  11. Eu também me encontro desempregada e sinceramente não gosto nada. Sinto muita falta de estar envolvida num projecto motivante, como em tempos estive.Mas tenho muita consideração pelas donas de casa, porque é um trabalho imenso que não tem fim e que muita vezes ninguém dá valor.Quantas vezes não ouvimos dizer: estás em casa, não fazes nada. E a realidade é tão diferente.As flores são lindas!

    ResponderEliminar