Retalhos

Registado a 30 Agosto 2004

Alguém me disse que te viu. Que poder arrebatador é este? Estremeço dentro de mim, quando oiço passado tanto tempo pronunciarem as sílabas do teu nome. Feridas recalcadas emergem à superfície causando danos que aos poucos reconstruo e saro.
Invades-me sem permissão e pudor e rasgas-me em retalhos de memórias violentas.
No teu íntimo adivinharas o desfecho como se te tivessem contado o final de um conto, mas o teu egoísmo prevaleceu e a história fizeste-la tu sem perdão. Dizias que utilizavas as pessoas e uma vez esquecidas seriam para sempre numa gaveta guardadas! Mas não sabes tu que eu vejo a luz da vida através de um sonho imaginário. E num só sopro apagar-te-ei por completo.

26 de Janeiro de 2011

Sentimento este que hoje sinto e que me obriga a arrancar palavras. Esquecido e recalcado no fundo do meu ser. Culpa, vergonha, paixão e risco. A audácia tua, o medo meu, ambos na linha tangente da descoberta. O fulgor e a aprendizagem a constante lição lado a lado daquilo que éramos. Faz pouco tempo que me lembrei de ti, assim como uma névoa que passa rapidamente. Vi-te em micro segundos e ouvi-te num som surdo… passou, passou até hoje, ao dia em que voltaste pela notícia da tua própria morte… e em que tudo voltou a ficar vivo num lugar qualquer dentro de mim.

7 comentários

  1. poderoso em 2004 e em 2011.
    Um beijinho para ti, Márcia e uma passagem :
    "Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós."

    ResponderEliminar
  2. Não posso oferecer-te palavras que te consolem, porque não existem. Ofereço-te antes os meus pensamentos que imploram pela tua força. Um grande abraço Márcia.

    ResponderEliminar
  3. O teu texto, as tuas palavras, são lindíssimas... arrebatadoras, fortes. Como imagino - porque o expressas -que seja esse sentimento que te arranca as palavras e te faz escrever assim.
    Um abraço forte.
    x joana

    ResponderEliminar
  4. Ah, as lembranças... Muito bonitos, fortes e arrebatadores o seus textos. Me fizeram também lembrar de coisas já esquecidas.

    Beijo,
    Camila F.

    ResponderEliminar
  5. Minha querida, nem imaginas como as tuas palavras me tocaram... pelo que transmites, vivemos coisas semelhantes no passado... penso que te compreendo bem... muita força!

    ResponderEliminar
  6. Profundo como sempre, quando é a alma a escrever.

    ResponderEliminar

Instagram