O meu Mar

Os dias de tempestade pintados de cinzento escuro fazem-me lembrar o nosso antigo apartamento com vista sob o mar...


Hoje, a morar longe fecho os olhos e consigo ouvir o som do mar. O som dos ventos fortes a baterem freneticamente nas janelas e ver as gaivotas fugir. Vivi com esta paisagem 38 anos.

(fotografias tiradas da nossa antiga casa)

Olho através dos vidros da janela
e contemplo-te...
calmo, calado, no cair da noite perdes-te na imensa escuridão
e igualaste numa comunhão quase perfeita.

Na tua vasta imensidão, és dono de ti mesmo,
como se um Deus fosses...
Shiva ou Neptuno.
Geras, crias
e destróis
é imenso o teu poder!

E conheço-te tão bem...
enraivecido
turbulento
sereno
cristalino.
Conheço a música alegre
e triste que cantas...
Conheço a temperatura
de todos os teus lamentos
e as cores que usas
para as disfarçares...
E no entanto...
respeito-te
temo-te
e amo-te!

Deva

6 comentários

  1. Po mais belo que seja o local onde moras hoje, decerto deves sentir saudades dessas vistas magníficas. Adoro o mar de inverno.

    ResponderEliminar
  2. Nao ha melhor som que o som das ondas, e no Inverno entao ainda sabe melhor.
    Durante 38 anos tiveste a melhor das paisagens mas agora tambem nao estas nada mal!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. WOW! Deve ter sido uma morada maravilhosa... que deixa saudades...

    ResponderEliminar
  4. Fotos muito bonitas e um poema para ler e reler.

    Ver estas fotos, ler este poema fez-me sentir o mar que existe dentro de mim

    Obrigado :)

    Paulo

    ResponderEliminar
  5. As fotografias estão fantásticas, mas adoro especialmente a 1ª. Devia ser um provilégio viver num sítio com esta vista. Eu adoro o mar.

    ResponderEliminar
  6. Só quem nasce perto do mar compreende o bem que ele nos faz. Nasci, cresci e vivi na Nazaré e agora que tenho de viver longe dela, as saudades são cada vez maiores... Não há nada como o mar para nos fazer sentir vivos.

    ResponderEliminar