Modos de Vida

Ontem fui almoçar com a minha mãe ao "El Corte Inglés". Passamos lá algumas horas, tempo mais que suficiente para que eu percebesse o quão aborrecido é passear e parar pelos stands de cada marca ou estilista, fora os saldos, as malas, sapatos etc... Já lá vai o tempo em que eu juntava dinheiro para ir à rua Garrett de propósito comprar os meus jeans da Versace!
Do "El Corte Inglés" satisfez-me um par de revistas e algumas compras que fiz no super mercado, incluindo um frasco de maple syrup!

No regresso a casa percebi também que existem coisas que outrora me fascinavam e que hoje as acho mesquinhas e que sei viver bem sem elas. Descobri que semear, plantar, observar e meditar fazem parte de um quotidiano enriquicedor. E, descobri ainda que a simplicidade e a humildade são valores que admiro, que prezo e que os guardo. Aqui tenho tudo isso, aqui sei ser feliz e quando este chão me faltar procurarei outro.

( A minha mãe diz-me que me tornei num género de "rato do campo que vai de visita à cidade". Respondeu eu, talvez assim seja)

12 comentários

  1. a simplicidade da vida no campo torna-nos mais humildes, mas mais capazes, pois com poucos recursos conseguimos fazer muito, demoramos é algum tempo a perceber isto!

    ResponderEliminar
  2. Constança, comungo de teus pensamentos e sei muito bem quando te referes à vida no campo. Troquei a megalópole São Paulo por uma cidadezinha da grande Fortaleza, onde vivo no campo, em meio à natureza...Consegui decifrar os ruídos do silêncio, alcançar os raios solares e encontrar a poesia no brilho da lua...não me arrependo..melhor seria se não tivessemos de conviver com a violência deflagrada por conta das drogas e disseminada em todo Brasil, que nos obriga a viver, mesmo em meio à natureza em permanente estado de atenção e alerta..Fora isso, deixo a metrópole para os que não sabem que as coisas mais saborosas da vida são extraídas na rusticidade do campo.
    abraços Dolly

    ResponderEliminar
  3. Concordo com as suas palavras Dolly; infelizmente as drogas e a violência existem por toda a parte no mundo, não só no Brasil... Brasil, Brasil esse país maravilhoso e simpático, tantas saudades tenho de o revisitar!
    ---
    Eu não me chamo Constança, Dolly! você se enganou :)

    ResponderEliminar
  4. Então assim, já não acho que sou eu que dei em "careta"! Longe vão os tempos de quase acampar à porta das minhas lojas favoritas no dia do lançamento de uma colecção, ou porque "hoje é dia de receberem coisas novas". Importa-me mas já não dou importância, ou seja, não, não ando com uns trapos em cima mas desde que fiquem bem não interessa se custaram 10 ou 50€. Se bem que há alturas em que calço os meus super taconazos e vou tomar um banho de lojas - uma vez por ano, talvez! Mas passei a preferir gastar dinheiro em revistas (demais, dizem alguns) e em coisas que me fazem feliz. E sim, ter o Super Cor à porta de casa (Ao El faço uma visita por ano e chega!)também me ajuda a acalmar alguns desejos mais dificieis de concretizar!

    ResponderEliminar
  5. xarope de ácer por aí ! é muito bom para pôr nas panquecas ou crepes :-)

    ResponderEliminar
  6. :-) O Ratinho do Campo vive feliz :-)
    Há praí uma dezena de anos que deixei de ser capaz de fazer a ronda do centro comercial (e houve altura que por comodidade de almoço, a ronda era todos os dias), simplesmente me faz muita confusão aquele amontoado de gente, as luzes, o ser-se bombardeado a cada metro que se ande com este e aquele produto/moda/whatever.
    Por cá não temos os monstros comerciais mas nem por isso me apanham nas galerias :-S Quando aí vamos faço a minha ronda anual que se resume ao hipermercado e à livraria para trazer a despensa e leitura portuguesas na bagagem :-)

    ResponderEliminar
  7. Descobri o teu blog há poucos dias.
    É lindo o teu trabalho e acredito que seja reflexo do teu interior!

    Desejo muita inspiração e força para pores mãos à obra!

    ResponderEliminar
  8. Estou a tentar tornar-me também num rato de campo. Já dei o 1º passo, estou a tentar vender a minha casa em Lisboa, mas esta crise não ajuda nada:(
    Bom domingo para o ratinho de campo:)))
    Sofia
    P.S enquanto faço a minha 1ªmanta em crochet, sonho com o dia em que a vou poder usar num alpendre algures no campo!!!

    ResponderEliminar
  9. O Corte Ingles tem muito que se diga ou se gosta ou nao se gosta, o meu pai por exemplo adora, eu nunca na vida me entendi com aquela catrefada de stands à direita e à esquerda, por nao sei quantos corredores, nao gosto de fazer compras assim, aliás longe vao os tempos em que eu perdia tardes nos centros, nao tenho paciencia. Os saldos deles dao me vontade de rir ... Costumo comprar lá tambem as revistas estrangeiras que sao mais dificeis de encontrar aqui na papelaria da rua, nisso eles sao muito bons e tambem gosto de ir ao supermercado .. eles tem la umas garrafas de um litro de batido em varios sabores que adoro e tambem " cuajada " para algumas receitas na bimby, e só la se vende. Nao gosto de comer lá, é sufocante aquele piso.

    Jeans Versace .. muito bem!! Este Inverno foi a primeira vez na vida que comprei uns jeans de " marca " e ja tenho 27 .. gostei da cor. Quanto mais envelhecemos mais damos valor ao que realmente importa.

    Beijinho

    ps - eu dava tudo para voltar para o campo! Quando la estava queixava me, só agora me apercebi do quanto sinto falta daquela vida e o quanto gostava de la estar. Pode ser que um dia ..

    ResponderEliminar
  10. é da idade minha cara Deva ;), partilho a tua forma de pensar, cada vez mais. e tb gosto de passear no corte inglês, mas fico-me por essas mesmíssimas coisas, revistas e supermercado :)

    ResponderEliminar
  11. Adoro maple syrup...principalmente sobre panquecas quentinhas num pequeno-almoço longo de domingo :)

    ResponderEliminar
  12. Também sou um pouco "ratinha do campo", apesar de morar na cidade! Adoro!

    Comprei minha Nikon no El Corte Inglés quando estive em Madrid no final do ano passado. Realmente é muita coisa pra ver!

    ResponderEliminar